Exportação de algodão brasileiro: certificações socioambientais chegam aos portos 

Além da qualidade, vender no exterior exige certificações socioambientais rigorosas, e há pelo menos 11 anos, a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) aplica uma das metodologias de certificação socioambiental mais rigorosas do mundo, o selo ABR (Algodão Brasileiro Responsável).
Exportação de algodão brasileiro: certificações socioambientais chegam aos portos

O algodão brasileiro tornou-se mais sustentável! A primeira iniciativa aconteceu ainda em 2021 com a ABR-UBA, certificação sustentável que abrangia todos os elos da cadeia produtiva, no entanto, continuava valendo da porteira para dentro. Agora, as certificações dão um passo além e chegam até os portos. Os terminais de Santos são prioridade.

A cultura do algodão brasileiro é uma potência

Entre agosto de 2022 e junho de 2023, a cultura do algodão rendeu US$ 2,7 bilhões em divisas ao Brasil, que é o quarto maior produtor e segundo principal exportador mundial de algodão. 

Apesar desses números expressivos, algumas medidas devem ser tomadas a fim de continuar exportando, principalmente do ponto de vista sustentável.

Por isso, esse mês, a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), a Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), firmaram uma parceria para emitir selos ABR-LOG, uma certificação socioambiental para os terminais retroportuários, responsáveis por:

  • Recebimento dos fardos;
  • Armazenamento;
  • Estufagem do contêiner;
  • Embarque. 

A iniciativa faz parte do programa Cotton Brazil, que visa promover a fibra brasileira no mercado internacional. 

A emissão atende a uma antiga demanda de compradores preocupados com as condições socioambientais envolvidas no processo de produção e envio do algodão.

Problemas que são solucionados através das certificações

Além das questões socioambientais, as certificações fortalecem a qualidade e integridade com as quais o algodão é enviado e chega até os compradores, como comentou Alexandre Schenkel: 

“Nas visitas às indústrias, não raramente, temos encontrado fardos de algodão de origem brasileira sujos e com as capas rasgadas. Além do comprometimento do aspecto, os danos na capa de proteção favorecem a contaminação do produto. Não chega ao nível de cancelamento de compras, mas entregar um fardo íntegro é do interesse dos produtores e exportadores, para manter a reputação de qualidade do algodão brasileiro”. completa.

Esses problemas foram identificados pela Abrapa durante missões internacionais realizadas todos os anos, principalmente em países da Ásia, que são essenciais para entender e discutir as impressões que o mercado tem sobre o algodão brasileiro. 

Algodão brasileiro mais sustentável: empresas aprovadas

As empresas que aderiram ao programa e já foram auditadas e aprovadas são a S. Magalhães & Essemaga (que tiveram seus terminais de Alemoa e Guarujá chancelados pelo programa), a Hipercon Terminais de Carga, de Santos e a Louis Dreyfus Company (LDC), com terminal em Cubatão (SP).

A Brado Logística (MT) e o Tecon Salvador (BA), também aderiram ao programa, passaram pela auditoria e em breve devem receber seus certificados.

Os terminais de Santos são prioridade, afinal, deles saem 97% das exportações de algodão, como afirma Schenkel: “Convidamos mais cinco terminais de Santos, Guarujá e Cubatão, e estamos em discussão para que eles possam fazer parte do ABR-LOG, ainda no período comercial 2023/2024.”.

Etapas da certificação

Para conseguir a certificação, os terminais interessados assinam voluntariamente um termo de adesão ao ABR-LOG. Depois, devem agendar uma auditoria presencial, realizada por certificadoras de terceira parte, de renome internacional. No período comercial 2023/2024, a Control Union é a responsável pelas auditorias.

Durante a auditoria, são verificadas:

  • Regularidade das relações trabalhistas
  • Utilização de mão de obra estrangeira irregular
  • Segurança do trabalho

Além desses, outros critérios são avaliados. A verificação do emprego de crianças e a prática de trabalho forçado ou análogo à escravidão desabilitam o terminal imediatamente.

Ao longo do tempo, o programa prevê um processo de melhoria contínua. No primeiro ano, são necessários 80% de conformidade na lista de certificação, a partir da segunda safra, deverá ser igual a 82%, aumentando o nível de conformidade em 2% a cada ano. 

“Os resultados esperados são que o comprador receba os fardos de algodão íntegros após o transporte, padronização e melhoria das operações de estufagem nos terminais brasileiros e o fortalecimento de quesitos sociais e ambientais em mais um elo da cadeia produtiva”, conclui o presidente Alexandre Schenkel.

Conheça a Formação LOG 360º da ImLog e não perca a oportunidade adquirir uma visão de ponta a ponta da cadeia logística com experts do setor!

  • Amanda Moura

    Amanda Moura é formada em Ciências Sociais e do Consumo pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e se dedica a estudar comportamento, consumo e tendências.

Newsletter ImLog

Cadastre-se e conheça a logística sob um novo olhar

Mais lidos

Assine a Newsletter da Imlog

Esteja sempre antenado sobre as últimas notícias do universo logístico!